fbpx
Connect with us
ads

Polícia

Após ele pagar fiança de R$ 50,6 mil, justiça solta motorista que atropelou e matou pai de família e criança de 6 anos ao dirigir bêbado, no Pará

Published

on

Em decisão interlocutória publicada na tarde da segunda-feira, dia 18, a Justiça concedeu liberdade provisória ao jovem Artur Lima Gonçalves, acusado de ser o responsável pela morte de Wasnor Gomes de Oliveira Neto e a menina Valentina Miranda de Araújo Resende, 6 anos de idade.

A soltura dele foi concedida pelo juiz Marcelo Andrei Simão Santos, condicionada ao pagamento de fiança no valor de R$ 50.600,00. Além disso, aplicou as seguintes medidas cautelares: proibição de frequentar bares, boates, serestas e congêneres; 2) proibição de se aproximar e manter contato com as testemunhas ou vítimas por qualquer meio; proibição de se ausentar da Comarca de Marabá ou mudar de endereço sem comunicar a Justiça; recolhimento domiciliar noturno das 22 às 6 horas, inclusive aos finais de semana e feriados; e suspensão da habilitação para dirigir veículo.

CORTEJO E BUZINAÇO

Por volta das 10 horas da manhã desta segunda-feira, 18, o corpo de Wasnor Gomes de Oliveira Neto, morto em grave acidente ocorrido neste domingo, entre São Félix e Morada Nova, foi levado em caixão para sepultamento no Cemitério de Murumuru, a 6 km de Morada Nova, onde ele residia.

O corpo dele foi velado e teve culto na Igreja do Evangelho Quadrangular de Morada Nova. O imenso cortejo fúnebre seguiu em direção ao cemitério com participação de mais de 15 caminhoneiros que, assim como a vítima, trabalham transportando minério. Também estavam presentes motoqueiros que eram amigos de Wasnor em trilhas na zona rural. Completavam o cortejo dezenas de amigos e familiares que estavam em automóveis. Juntos, eles promoviam um buzinaço em homenagem ao rapaz, que era conhecido como “Zóim”.

Ao contrário dos cortejos tradicionais, em que o caixão é levado em carro de funerária, o de Wasnor foi transportado em um “cavalinho”, caminhão sem a parte da carroceria. Um carro de som seguia à frente, com músicas preferidas do jovem pai de família.

Um dos pontos mais sensíveis ocorreu em frente à Fazenda de seu avô, conhecido como Lourão, entre Morada Nova e Murumuru, onde parte da família e amigos esperavam em pé e chorando bastante.

ENTENDA O CASO

No início da tarde de ontem, domingo, dia 17 de janeiro, um grave acidente ocorreu na Rodovia BR-222, entre São Félix e Morada Nova, deixando dois mortos e quatro feridos. O fato ocorreu na chamada “Curva da Morte”, próxima ao Residencial Tiradentes, onde vários acidentes já foram registrados.

Testemunhas informaram que uma camionete Amarok bateu em um Gol e um Siena. Wasnor Gomes de Oliveira Neto, de 30 anos de idade, que dirigia o Gol, morreu na hora, já que a camionete “rasgou” a lateral do carro pequeno no lado do motorista. Sua filha e a esposa foram levadas para o Hospital Municipal de Marabá.

No outro veículo estavam outras três pessoas. Uma garota, de prenome Valentina, com idade aproximada de seis anos, morreu na hora.

Várias pessoas ouvidas pela Reportagem do CORREIO DE CARAJÁS disseram que o responsável pelo acidente foi o condutor da Amarok, Artur Lima Gonçalves, que é filho do vereador Márcio do São Félix. Várias pessoas disseram que o rapaz estaria alcoolizado.

Uma equipe da Polícia Militar chegou ao local em seguida e efetuou a prisão de Artur Lima, que negou-se a fazer o teste do bafômetro na delegacia.

Na manhã desta segunda-feira, o delegado Vinícius Cardoso, confirmou que as informações davam conta que Artur Lima perdeu o controle da Amarok, invadiu a contramão, vindo a colidir com os dois veículos que transitavam em sentido contrário. “A PM flagrou o condutor da Amarok com algumas latas de cerveja no interior do veículo. Ele se recusou a se submeter ao teste do etilômetro e foi encaminhado ao Instituto Médico Legal, onde um perito médico constatou sua embriaguez por exame clínico”.

Por conta disso, segundo o delegado, Artur Lima foi autuado em flagrante por homicídio qualificado, em razão da embriaguez ao volante, bem como pelas lesões corporais provocadas nos outros ocupantes. “Ao que tudo indica, ele estaria transitando em uma velocidade incompatível com a via, o que se confirma pela brutalidade do acidente”, disse o delegado.

Em razão do homicídio qualificado pela embriaguez ao volante, Artur pode pegar entre 5 a 8 anos de prisão. Mas ele também responderá pelas quatro lesões corporais provocadas no acidente. (Evangelista Rocha e Josseli Carvalho)

Continue Reading
Advertisement
Comments