fbpx
Connect with us
ads

Mundo

Dólar bate R$ 5,76 em meio a aversão a risco global e de olho no Copom

Published

on

O dólar disparava contra o real nesta quarta-feira (28), em dia de decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) sobre a taxa de juros do Brasil e com os investidores buscando segurança em meio à forte disseminação da Covid-19 em grandes economias e à aproximação da eleição presidencial norte-americana.

Às 9h27, a moeda norte-americana subia 1,21%, vendida a R$ 5,7545. Na máxima até o momento, bateu R$ 5,7605, maior cotação intradia desde 19 de maio (R$ 5,7644). Veja mais cotações.

Na terça-feira, o dólar fechou em alta de 1,26%, a R$ 5,6857. Na parcial do mês, acumula alta de 1,20%. No ano, tem valorização de 41,80%.

O Banco Central anunciou para este pregão leilão de swap tradicional para rolagem de até 12 mil contratos com vencimento em abril e agosto de 2021, destaca a Reuters.

  • Por que o real é a moeda que mais desvalorizou em 2020

Cena externa e local

Lá fora, o aumento dos casos de coronavírus provocava temores de que lockdowns na Europa prejudiquem a recuperação econômica. Pesavam também as incertezas antes das eleições nos EUA.

“Os mercados globais parecem estar incrivelmente nervosos, o misto de alta nos casos de Covid-19 e mortes e o potencial lockdown na França somam-se à incerteza antes das eleições nos EUA e você tem esse pano de fundo bastante fraco”, disse John Woolfitt, diretor de trading do Atlantic Capital Markets.

Por aqui, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anuncia nesta quarta, por volta das 18h, a nova taxa básica de juros, e a expectativa do mercado financeiro é que a Selic seja mantida em 2%, apesar da pressão da disparada dos preços dos alimentos.

Preocupações ampliadas com a situação fiscal do país e sustentabilidade das contas públicas, além da capacidade do governo de avançar numa agenda de reformas seguem dominando as atenções dos investidores, sendo apontadas como os principais fatores de pressão sobre o real.

A taxa de juros em mínimas históricas também faz com que o Brasil se torne menos atrativo para investidores internacionais, reduzindo o fluxo de dólares para aplicações financeiras no país, o que também contribui para um patamar de câmbio mais alto.

FONTE:G1

Continue Reading
Advertisement
Comments