fbpx
Connect with us
ads

Geral

Esposa agredida cortou saco de vice-governador de MT durante briga

Published

on

Vítima de violência doméstica, a advogada Viviane Cristina Kawamoto Pivetta, 36, esposa do vice-governador Otaviano Pivetta, 62, (sem partido), conversou com exclusividade com a reportagem de A Gazeta sobre os desdobramentos do caso de agressão sofrida por ela em Itapema, Santa Catarina, no dia 7 de julho deste ano, e que foi revelado em primeira mão pelo Portal Gazeta Digital na semana passada.

Viviane conta que tem juntado provas que comprovam as agressões sofridas no início do mês passado, mas que também anexará provas de outras agressões. Ambos estão casados desde 2019 e têm um filho. “Este é um processo [caso Itapema] em que estou juntando provas e entregando para o meu advogado, onde comprova que já sofri outros tipos de agressões. Mas isso será provado na justiça”, disse afirmando que não fornecerá mais informações porque o processo se encontra em segredo de Justiça.

A advogada ainda afirma que, após a divulgação da agressão feita pelo marido, ela e Pivetta tentaram reatar o casamento. Porém, segundo Viviane, essa possibilidade foi anulada e não tem mais volta por conta da interferência de ‘terceiros’. “Eu fui ao escritório dele, nós conversamos, ele me pediu perdão, me pediu desculpas e pediu para voltarmos. Eu aceitei por amor, pelo nosso filho”, disse ela, antes de contar os detalhes que a levaram a desistir de reatar o casamento.

A Gazeta teve acesso com exclusividade à Certidão de Ocorrência feita pelos Bombeiros a pedido do delegado Rafael Chiara, que atendeu o caso. Conforme o laudo assinado pelo 3º sargento do Corpo de Bombeiros, Adriano Ribeiro da Silva, Viviane Kawamoto estava consciente, orientada e com sinais vitais normais.

Relatou dores na região da cabeça, lábios, braços e pernas. “Na avaliação secundária foram observadas escoriações e edemas na região do crânio, braços, no dedo anelar esquerdo, coxa esquerda, lábios e na região distal anterior da coxa esquerda”, diz trecho.

BOLSA ESCROTAL DE PIVETTA

O documento também revela que Otaviano Pivetta foi atendido pelos Bombeiros, que estava no dia com a pressão arterial alterada. Segundo o laudo, o vice-governador tinha escoriações no pescoço, tórax, costas, mão esquerda e ‘bolsa escrotal lado direito’.

O laudo só foi solicitado porque Viviane se recusou a realizar o exame no Instituto Médico Legal (IML) em Balneário Camboriú, cidade localizada a 12 quilômetros de distância. Viviane relatou aos militares naquele dia que o vice-governador havia lhe agredido e batido algumas vezes com sua cabeça no sofá.

Pivetta e Viviane chegaram à delegacia por volta das 19h. O vice-governador de Mato Grosso foi detido e precisou pagar fiança de seis salários mínimos para deixar a delegacia.

OFERTA DE DINHEIRO

Viviane Kawamoto disse à reportagem que, durante a conversa de tentativa de reconciliação recebeu uma ligação. Viviane relata que após dizer que não aceitaria ninguém falar assim com ela, deixou a sala. Pivetta ainda tentou convencê-la a ficar, mas ela pediu para que ‘a deixasse em paz’. “Depois disso eu bloqueei ele. Porque se ele aceita que falem comigo desse jeito, não tem porque eu ficar nisso. Não tem mais volta”, afirmou.

Ela relatou uma tentativa de proposta de dinheiro que teria ocorrido nesta terça-feira (3). Desta vez, segundo Viviane, a proposta teria partido do advogado Rodrigo Cyrineu, que defende o vice-governador no caso. “Ele falou para o outro advogado que estava cuidando disso pra gente. Ele disse: será que por um valor ela aliviaria as coisas pra nós? Foi dessa forma. E isso tem me deixado revoltada”, explicou.

Após o episódio, ela afirmou que recebeu o pedido de desculpas de Santullo por mensagem de whatsapp. 

OUTRO LADO
O advogado Rodrigo Cyrineu afirmou que jamais conversou com qualquer pessoa sobre dinheiro. E que ele foi constituído advogado de Pivetta no caso nesta terça-feira. 

Fonte: Estadão MT

Continue Reading
Advertisement
Comments