O governador de Mato Grosso, Mauro Mendes, toma posse nesta terça-feira, em Brasília, do cargo de presidente do Consórcio Brasil Central (BrC). O chefe do poder Executivo de MT foi eleito em novembro de 2019 para suceder o governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja.

A transmissão do cargo acorre a partir das 14h na sede do BrC, com a presença dos demais governadores dos estados consorciados e do embaixador da Espanha, Fernando García Casas, que participa do projeto BrC Global. A previsão é que, durante a programação, seja feita uma explanação dos projetos em andamento e a apresentação do Relatório de Gestão de 2019, apresentação de vídeo institucional sobre o Brc.

Em janeiro, o governador Mauro Mendes visitou a sede do Consórcio Brasil Central para conhecer as instalações da autarquia, conferir o trabalho que vem sendo executado e o andamento dos principais projetos. “Viemos aqui para conhecer com mais detalhes a estrutura com a qual está se trabalhando ao longo dos últimos anos e gostei do que vi. Temos muitos desafios pela frente e precisamos entregar resultados cada vez mais e comprovar que o investimento que os estados estão fazendo irá trazer ganhos e benefícios efetivos”, disse o governador.

Criado em 2015, o BrC é a primeira autarquia criada nesse formato, que é responsável por unir esforços com o objetivo de promover o ganho de competitividade por meio da cooperação técnica efetiva para a formulação de políticas regionais, projetos, parcerias, captação de recursos e soluções de problemas de forma conjunta. Além do Mato Grosso, fazem parte do BrC os estados do Maranhão, Goiás, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Tocantins e o Distrito Federal.

Além da cerimônia de posse, o governador Mauro Mendes, participa do VIII Fórum Nacional de Governadores. O evento acontece nesta terça-feira, às 8h, no edifício do Banco do Brasil, local escolhido para o encontro dos chefes do poder Executivo de todas as unidades da federação para discutir sobre as mudanças e avanços necessários para o país.

No palco de debate serão discutidos sete diferentes temas sobre: Preço dos combustíveis, Plano de Promoção do Equilíbrio Fiscal (PEF), Renovação do Fundeb; Fundo de Participação dos Estados (FPE); Plano Mais Brasil (Pacto Federativo); Distribuição dos Royalties de Petróleo; e Securitização.