O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio das Promotorias de Justiça de Sorriso, ingressou com ação civil pública por ato de improbidade administrativa e denúncia criminal contra os policiais militares Weberth Batista Ribeiro e Ezio Souza Dias. Na noite do dia 17 de janeiro, os dois PMs foram flagrados por câmera de monitoramento de segurança, na avenida Tangará, efetuando disparos de arma de fogo contra uma mulher que estava com o namorado em um ponto de ônibus.

No âmbito criminal, os policiais vão responder pelos crimes de tentativa de homicídio praticado por motivo fútil, mediante recurso que dificultou a defesa da vítima e com a utilização de meio cruel. Já na esfera cível, o MPMT requer, em caráter liminar, o afastamento dos dois da função de policial militar e, ao final da ação, a condenação por ato de improbidade administrativa.

Consta na denúncia criminal, que na data dos fatos, a Polícia Militar local recebeu diversas ligações anônimas relatando que os denunciados estariam em um estabelecimento comercial agredindo pessoas e efetivando disparos de arma de fogo. De acordo com relatos dos policiais ouvidos durante o inquérito, as denúncias anônimas afirmavam também que os dois haviam atirado contra uma mulher.

“As imagens do circuito interno de segurança obtidas pela Polícia Civil indicam que os increpados se aproximaram das vítimas, que estavam sentadas, bem como encostadas numa parede, literalmente encurraladas, dificultando suas defesas, quando desfecharam o primeiro disparo de arma de fogo em direção a elas, simplesmente por que estavam em seu caminho”, diz um trecho da denúncia do MPMT.

Após efetuarem o primeiro disparo, conforme o MPMT, os denunciados passaram a agredir fisicamente as vítimas com tapas e socos. Segundos depois, o policial Ezio Souza Dias retorna empunhando a arma de fogo e mirando em direção às vítimas, enquanto o outro dá sequência à sessão de tapas e soco, quando é possível perceber a ocorrência de mais um disparo contra o casal.

“Posteriormente, para concluir o intento homicida, Ézio se aproxima ainda mais das vítimas com o instrumento bélico apontado para elas, visando abatê-las, quando então a vítima suplica, dizendo: “Pelo amor de Deus, não dispara”. Contudo, o increpado desfecha mais um tiro na direção de ambos, logrando êxito em atingir o rosto da vítima, que cai ferida ao solo, sangrando muito”, diz a denúncia. De acordo com os laudos anexados ao processo, o tiro atingiu a face da mulher, causando ferimentos gravíssimos.

As informações são da assessoria do Ministério Público Estadual.