fbpx
Connect with us
ads

Polícia

Polícia Federal prende policiais de MT por roubarem drogas de traficantes; justiça bloqueou R$ 5,5 milhões de alvos da operação

Published

on

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (4/11) em Cuiabá/MT a Operação Cérberus, que investiga uma organização criminosa voltada ao tráfico de drogas e extorsão. Estão sendo cumpridos sete mandados de busca e apreensão e três de prisão temporária expedidos pela 7ª Vara Criminal de Cuiabá. 

As investigações apontam que dois policiais na ativa e policiais civis/militares já excluídos participavam da organização criminosa. A operação tem como objetivo a prisão das lideranças e a descapitalização patrimonial do grupo, a fim de evitar a formação de uma possível milícia em Mato Grosso. 

A PF informa que os suspeitos estariam subtraindo carregamentos de drogas e vendendo o material para outros criminosos. Alguns dos investigados possuem antecedentes criminais extremamente violentos, com passagens por extorsão, homicídios e tráfico de drogas.

Os suspeitos vinham ostentando padrão incompatível com os rendimentos lícitos. De acordo com a investigação, estas pessoas teriam aberto empresas de fachada, usando familiares para ocultarem patrimônio.

Na ação de hoje a PF apreendeu celulares, veículos e armas de fogo. A Justiça determinou ainda o bloqueio de até R$ 5,5 milhões das contas dos investigados, além do sequestro de veículos e imóveis registrados.

Em outubro deste ano a Força Tática da Polícia Militar/MT, com informações da PF, prendeu em flagrante quatro envolvidos com 120 kg de cocaína. Na ocasião também foram apreendidos três veículos, arma de fogo e quase R$ 60 mil reais em espécie.

O nome da operação é uma referência a Cérberus, figura mitológica grega.  O monstruoso cão de três cabeças guardava a entrada do mundo inferior, o reino subterrâneo dos mortos. O animal deixava as almas entrarem, mas jamais saírem, despedaçando ainda os mortais que por lá se aventurassem.  Uma alusão à forma extremamente violenta como agiam os integrantes da organização criminosa investigada.

Fonte: Folha Max

Continue Reading
Advertisement
Comments