Barragem Capitão do Mato registrou aumento no nível de água devido ao volume de chuvas; moradores deixaram suas casas há três meses

A Vale elevou de 1 para 2 o nível de emergência na barragem Capitão do Mato, localizada em Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte. Segundo a mineradora, a medida foi tomada por causa da elevação no nível da água da barragem com as chuvas que caem na região nas últimas semanas. 

Em nota, a empresa disse que “alguns instrumentos da estrutura apontaram alterações temporárias no nível de água”, mas que esses níveis já teriam retornado ao normal.

Curtiu? Siga o 163NOTÍCIAS no FacebookTwitter e no Instagram.

Entre no nosso Grupo de WhatApp.

“A barragem permanecerá preventivamente em nível 2 até a conclusão da análise técnica do histórico e das condições atuais da estrutura”, diz trecho da nota divulgada pela Vale. Os estudos “As-Is” estão em andamento e serão avaliados por uma auditoria independente. 

Famílias removidas

Moradores da ZAS (Zona de Autossalvamento), ou seja, que viviam em região que seria a primeira a ser atingida em caso de rompimento, foram retirados de suas casas em novembro passado, por causa de obras de reforço na barragem Vargem Grande.

De acordo com a Vale, a Capitão do Mato é uma barragem de contenção de sedimentos, construída em etapa única, com aterro convencional. A estrutura é “monitorada permanentemente por uma série de instrumentos, como piezômetros, radares, estações robóticas, câmeras de vídeo, e pelo Centro de Monitoramento Geotécnico”.

A mineradora informou que a elevação para o nível 2 de emergência não impactará no plano de produção de minério de ferro deste trimestre. 

Emergência

Com a medida, agora, além da Capitão do Mato, já são cinco as barragem com nível 2 de emergência no estado: barragem de rejeitos, da ArcellorMittal, em Itatiaiuçu; Forquilha II e Grupo, da Vale, em Ouro Preto; e Sul Inferior, em Barão de Cocais, também da Vale. 

Outras quatro barragens estão em nível 3 de emergência, que significa risco iminente de rompimento: B3/B4, da MBR, em Paraopeba; Forquilhas I e III, da Vale, em Ouro Preto; e Sul Superior, também da Vale, em Barão de Cocais.